Lua-de-Mel


.

A Ilha de Esme foi palco de um dos momentos mais importantes que Bella e Edward tiveram. Depois de um casamento lindíssimo, eis que chega a lua-de-mel.


Rezava para que aquele momento durasse para sempre. O meu coração pedia para que o tempo parasse naquele olhar enternecedor que Edward me lançava. Era tudo demasiado surreal. O som das ondas rebentando na areia clara da praia, quebrava o silêncio das palavras. A luz prateada da lua iluminava dois corpos rígidos distanciados por um desejo quase mortal.

Era difícil controlar-me naquele momento de encantamento, de puro desejo. Agora queria ser humana, queria experimentar este lado mais carnal e incontrolável que abalava a minha espécie. Os olhos doces de Edward diziam-me que o desejo era mútuo, mas o seu corpo rígido mostrava-me um controlo demasiado forte para que nada disto sucedesse.

Uma aproximação, agora, talvez não fosse a melhor ideia. A sua reacção protectora sobre mim provavelmente se tornaria num afastamento rápido e eficaz, mas por outro lado, numa opção quase diminuta, ele poderia gostar e esquecer todas as barreiras que existiam. Era arriscado, eu sabia. Mas já não conseguia ficar mais tempo naquele impasse sedutor. O meu sangue fervilhava, as minhas hormonas saltavam juntamente com o meu coração, cada vez que a minha mente imaginava um encontro mais profundo.

O movimento do meu corpo na sua direcção fê-lo estremecer. Observei o pânico no seu olhar, a incerteza e a certeza das minhas intenções. De certa forma era divertido vê-lo ali, quieto, rígido e meio perdido nas suas teorias do certo ou errado. Sem nunca desviar o olhar, os meus lábios ficaram a milímetros dos dele. Podia sentir o calor que imanavam debatendo-se com a vaga fria de desejo dos seus lábios. Um pequeno movimento da minha cabeça, foi o bastante para notar uma contracção da sua boca. Parei e tentei arranjar maneira de contornar a situação, agora que estava tão perto não podia colocar tudo a perder.

As minhas mãos foram automaticamente atraídas pelo seu peito firme, percorrendo-o com suavidade e delicadeza, como se fosse a peça mais frágil que alguma fez tocara. O nosso constante olhar quebrou-se para que os meus olhos se fechassem e os meus lábios tocassem o seu pescoço suavemente. Naquele instante apercebi-me que a sua forma de estar, rígida, estava cedendo perante a minha insistência de nos tornarmos num só.

Percorri todo o seu pescoço com pequenos beijos ao mesmo tempo que tentava elevar o meu franzino corpo contra o seu. Nessa ansiedade, senti os seus braços envolverem-me e puxarem-me contra o seu corpo. Sorri e algo dentro de mim declarou-me vitoriosa. Com esse mesmo sorriso, abri os olhos e vislumbrei novamente o seu rosto sublime, antes…antes que os nossos lábios cedessem á força da paixão e do desejo que nos cingia.

Foi perfeito. Encaixaram-se na perfeição, movendo-se em plena harmonia no compasse do clima sedutor que estava formado. As nossas mãos percorriam cada detalhe do nosso corpo, entrelaçavam-se com os fios de cabelos que voavam ao sabor da crescente brisa marítima. O momento foi interrompido pela voz de Edward que numa última tentativa de fazer o correcto me perguntou, «Tens a certeza?». Aproximei-me do seu ouvido e sussurrei, com uma respiração ofegante, «Sim!».

As minhas pernas envolveram a sua cintura robusta e num voo absolutamente maravilhoso, nos refugiamos naquele quarto, amplo e claro, que seria testemunho da oficialização deste perigoso amor.

Autora: Mia Afonso

One Response to “Lua-de-Mel”

  1. Alicia says:

    Muito bem... adoro a forma como escreves

    muita inspiração :)